A persistência mostra capacidade de perseverança, indicando tenacidade e força de vontade

Está aí uma característica que todos nós devemos possuir ou almejar. A palavra “persistência” vem do latim “persistere”, que significa “continuar com firmeza”, ou seja, é aquele que não desiste fácil. Agir com persistência é ser esforçado e ter foco em seus objetivos, sem se deixar abalar facilmente por quaisquer dificuldades ou obstáculos.
A persistência mostra capacidade de perseverança, indicando tenacidade e força de vontade. São pessoas que têm as ideias claras e lutam para conseguir aquilo que se propõem, são conscientes de que quem vence na batalha da vida é aquele que se levanta pela manhã e corre atrás de seus sonhos. A chave do sucesso pessoal e profissional está baseada na persistência de lutar por metas e objetivos, não importando obstáculos a serem vencidos.
O mais comum é não conseguir tudo aquilo que se propõe logo de cara. É importante a pessoa ter em mente que deve encontrar o equilíbrio entre o que é possível e factível naquele momento, para não se frustrar com sucessivos fracassos. É neste momento que entra um planejamento bem elaborado, o que torna os sonhos alcançáveis.
As pessoas que vencem no campo de trabalho são profissionais que já apresentaram, eventualmente, alguns fracassos em sua caminhada, mas estão conscientes que podem aprender com seus erros e, assim, corrigir e retomar novos caminhos. Preste atenção! Errar uma vez se considera aprendizado. Mas errar duas ou mais vezes a mesma equação pode indicar outros problemas.
A persistência é uma qualidade valorizada pelos recrutadores, juntamente com a determinação. Um profissional persistente é aquele que não vai desistir diante da primeira negativa do chefe nem ficar desestimulado. Ele está determinado a fazer sua ideia dar certo e vai trabalhar para melhorá-la ao invés de simplesmente abandoná-la. Quando você se torna uma pessoa persistente, você se torna mais focada, com energia, motivada e emocionalmente controlada. A persistência e a autoconfiança geram uma retroalimentação positiva, que só pode dar em um resultado – aquilo que se deseja.
Veja bem, é preciso ter em mente que você não será capaz de conquistar tudo aquilo que almeja. A ideia da persistência é que a pessoa tenha um caminho em mente para atingir aquilo que deseja e, mais do que isso, caso o seu plano não dê certo, que você tenha alternativas para seguir em frente ou se adapte às circunstâncias e, assim, não se sinta desmotivado e desista dos seus objetivos.Portanto, nada de desculpas ou desistir no primeiro obstáculo! Momentos de dificuldade durante a caminhada certamente vão aparecer. Entretanto, serão essas mesmas dificuldades que vão te ajudar a conquistar aquilo que deseja. Atualmente, você não está conseguindo alcançar seus objetivos? Analise suas ações e veja se elas são condizentes para que você tenha sucesso em sua trajetória. Não conseguiu atingir a meta de primeira? Continue tentando e seja resiliente – leia minha coluna com o tema “Superando as dificuldades! Seja resiliente” no portal O Tempo. Charles Chaplin disse certa vez que “A persistência é o menor caminho para o êxito”.
Se você leva as coisas, de forma muito frequente, para o lado pessoal, é porque de alguma forma você concorda com o que está sendo falado. Nada do que os outros falam ou fazem tem a ver com você. Quem leva as coisas para o lado pessoal é porque dá muita importância a si mesmo. Na coluna de hoje, vamos ver como lidar melhor com esse tema.
Se você, caro leitor, acha que tudo que acontece à sua volta tem a ver com você, terá de mudar sua visão de vida. Certamente, essa mudança fará com que você sofra menos. É importante entender que o que os outros fazem, dizem ou pensam tem a ver com a forma como eles veem o mundo – não tem nada com você. Pare e pense nisso! Deixe de achar que é o centro das atenções.
Se você não levar as coisas para o lado pessoal, estará imune a vários problemas. Quando você se sentir ofendido com algo e prontamente reagir para defender seus pensamentos e ideias, certamente vai criar algum conflito. Naquele momento, fazendo uma “tempestade num copo d’água”, você, na verdade, está procurando mostrar que está certo e tornando todas as outras ideias erradas.
Todos nós conhecemos pessoas que se ofendem com facilidade, tendem a ver as situações como negativas, acreditam que tudo que se passa no ambiente tem uma relação com elas, isso sendo verdade ou não. Ficam irritadas com facilidade e creem que toda fala tem segundas intenções ou alguma crítica pessoal. Existe uma voz na mente da pessoa dizendo “é sobre mim”, “estão falando de mim”. É algo paranoico.
Pessoas assim não possuem senso de humor, deixam o ambiente de trabalho carregado, com relacionamentos interpessoais comprometidos, ficando isoladas em seu mundo, com tom amargo e depressivo. A tendência é que os outros se afastem delas para evitar maiores confrontos. Desse modo, isolam-se socialmente e reforçam o afastamento porque as outras pessoas temem suas reações violentas. De igual forma existem pessoas que levam tudo para o lado pessoal, mas se mantêm caladas, interiorizando um sentimento de rancor que parece não ter fim.
Como se proteger dos efeitos do ambiente sem levar nada para o lado pessoal? Primeiramente, procure ter autocontrole, seja flexível e tenha senso de humor. Seja autoconfiante, saiba separar o que é real do que é imaginário. Se o que outra pessoa diz afeta você é porque concorda com o que está sendo dito. Dê tempo ao tempo, evite confrontações e impulsividade desnecessárias. Tenha foco no que realmente é importante. Não gaste energia em coisas desnecessárias. Não se faça de vítima, o mundo não está contra você. Saiba perdoar, pois, quando você pratica o perdão, consegue se libertar de ideias do passado, focando coisas do presente, que são o que realmente interessa.
Não leve nada para o lado pessoal. Os outros não fazem nada por sua causa. Buda disse certa vez: “Quando você se tornar imune às opiniões e às ações dos outros, não será mais vítima de sofrimentos desnecessários.”
Faça uma boa semana.

Por DR. TELMO DINIZ

Deixe um comentário