CASO POTRICH, EXISTE CRIME PERFEITO?

 

Um crime perfeito é um crime cometido com tal planejamento e habilidade que nenhuma evidência é deixada e o culpado não pode ser encontrado. O termo também pode se referir ao crime não detectado depois de cometido ou, ainda, quando não deixa suspeitas que justifiquem uma investigação.
Na última semana chamou a atenção da reportagem da Rádio Liberal faixas já surradas e solitárias pregadas na cerca próximo ao condomínio de três casas de alto padrão onde morava Jacir Potrich, o pedido é uma só justiça. Dizem que a Justiça tarda, mas não falha?
Mas a morosidade da Justiça acaba também sendo nefasta para a família, pois pode passar a sensação de impunidade
Vamos aos fatos:
A sexta-feira, 13 de novembro de 2018 marca a data do desparecimento de Jacir Potrich, gerente da agência do Sicredi, no município de Anta Gorda.
Jacir Potrich, na época com 55 anos, desapareceu entre a noite de terça-feira, 13/11 e a manhã de quarta-feira, 14 de novembro de 2018 em Anta Gorda, onde trabalhava e resídia. As buscas tiveram início no dia em que foi registrado o sumiço, depois de uma pescaria em um açude.
Potrich foi visto pela última vez por volta das 19h de terça. Naquele dia, o bancário teve uma rotina normal, trabalhou até as 15h, foi para casa e, mais tarde, saiu para pescar no açude.
Depois de uma investigação não tão eficaz ou cheia de falhas o principal suspeito do desaparecimento de Potrich, o dentista Carlos Alberto Weber Patussi, recebeu a notícia que por unanimidade, a 1ª Câmara do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul cessou o andamento da ação penal contra Patussi, principal acusado pelo Ministério Público como responsável pelo desaparecimento do gerente da agência Sicredi de Anta Gorda, Jair Potrich.
Resumo:
Pergunta que não querem calar:
O que aconteceu em 13 de Novembro de 2018?
Mistérios…mistérios

Deixe um comentário